DICAS PARA ENVIO DE ARQUIVOS PARA SAÍDA
FERRAMENTA CORRETA
TIPOLOGIA
LINKS
IMAGENS
O QUE É PDF?
PROBLEMAS COMUNS / SOLUÇÕES
GUIA DE FÓRMULAS PANTONE

DICAS PARA ENVIO DE ARQUIVOS PARA SAÍDA

Máquinas Imagesetters (que produzem fotolito a partir do computador) são muito exigentes. Qualquer erro ou esquecimento com certeza comprometerá o resultado. Estes equipamentos trabalham utilizando a linguagem de descrição de página conhecido por PostScript.

Portanto, mesmo que determinado arquivo, impresso em sua impressora a jato de tinta pareça estar OK, pode ser que alguns elementos se percam quando o mesmo arquivo for processado em PostScript. Para evitar maiores transtornos, e certificar que o resultado final esteja dentro do que você esperava, listamos abaixo algumas dicas, que, se seguidas corretamente, produzirão um trabalho perfeito.

FERRAMENTA CORRETA

Sempre faça a diagramação do trabalho em programas específicos para tal fim, como Adobe Page Maker, Quark Xpress, Corel Draw, Photoshop, etc.

Programas como Microsoft Word, são apenas processadores de texto (embora incluam muitas facilidades), mas possuem recursos limitados com relação a produção de fotolitos profissionais, portanto, muita coisa pode se perder na conversão.

Outro programa que possui pouca compatibilidade com saídas profissionais é o Microsoft Power Point, pelas mesmas razões acima. Utilize o Word apenas para enviar texto corrido para ser posteriormente diagramado.

TIPOLOGIA

Fontes são arquivos que descrevem tipos de letras que você pode utilizar na sua arte. O fato de seu computador possuir uma determinada fonte não significa necesariamente que todos os computadores a possuam. Portanto, envie juntamente com seu arquivo as fontes que você utilizou na composição de seu trabalho.

LINKS

São os arquivos adicionais que compõem seu trabalho (scanners, ilustrações, etc.). Uma regra muito importante para a saída em PostScript é NUNCA utilizar cut/paste (por exemplo dar Copy de uma ilustração no Corel Draw e Paste no Page Maker ou Quark Xpress). Imagens inseridas no arquivo através deste método terão processamento errôneo pelo PostScript (podem sair cortados, com cores trocadas e até mesmo sair em branco).

A única maneira segura é, no caso de scanners (imagens scaneadas), criar um arquivo .TIF (não use .BMP nem .PCX) do scanner e as inserir através do comando PLACE do Page Maker. Com relação à ilustrações (desenhos vetorizados de Corel, Free Hand, Illustrator, etc.), exportar para .EPS (encapsulated postscript) no Corel Draw e importar no Page Maker ou Quark Xpress através do comando PLACE.

Não esqueça de enviar todos os arquivos (.TIF e .EPS) junto com o arquivo do Page Maker ou Quark Xpress, pois no momento da impressão ele irá procurar por esses arquivos. As mesmas regras acima valem para a maioria dos programas de editoração eletrônica.

IMAGENS

Não envie impressões de Offset, Jato de Tinta nem Xerox como originais das imagens a serem inseridas pelo bureau na saída do arquivo. A qualidade destes materiais para originais é sofrível, e quando forem scaneadas e processadas perderão ainda mais sua qualidade.

O tamanho dos originais também é importante. Envie originais compatíveis com o tamanho final do trabalho. Originais muito pequenos perderão qualidade se ampliados muito na saída. Lembramos ainda que fotos coloridas convertidas para preto e branco perdem muito contraste.

Imagens já scaneadas enviadas via disquete devem seguir a seguinte orientação, para tamanho original, utilizar a resolução de 300 dpi. Proporcionalizar na razão proposta caso a imagem seja menor ou maior (exemplo se for utilizada com o dobro do tamanho, utilizar 600 dpi, e assim por diante).

Se o seu scanner possuir controle de escala, fixe a resolução em 300 dpi e trabalhe só com escalas. Com relação às cores, lembre-se de que o processo de impressão na gráfica utiliza-se de 4 cores básicas: Cyan (azul claro), magenta (rosa forte), amarelo e preto. O computador utiliza 3 cores (Red - Vermelho, Green - Verde e Blue - Azul).

Antes de ajustar suas imagens, converta-as de RGB para CMYK, caso contrário, poderá haver alteração de tons quando o arquivo for processado pelo bureau. Imagens PB (preto e branco) e Grayscale (tons de cinza) não requerem este cuidado.

O QUE É PDF?

O PDF (Portable Document Format) é o formato padrão para distribuição e troca segura e confiável de documentos eletrônicos em todo o mundo, com dez anos de sucesso comprovado. É um formato de arquivo universal que preserva as fontes, figuras, gráficos e o layout do documento original, independente do aplicativo e plataforma usados para criá-lo.

Os arquivos Adobe® PDF são compactos e completos e podem ser compartilhados, exibidos e impressos por qualquer usuário do software gratuito Adobe Reader®. Mais de 500 milhões de cópias do software já foram distribuídas. É possível converter qualquer documento para o formato PDF usando os produtos Adobe Acrobat®, o que permite a profissionais de negócios, engenharia e criação criar, distribuir e trocar documentos PDF de forma segura e confiável. Para obter mais informações, consulte Família de produtos Adobe Acrobat.

Órgãos governamentais e empresas do mundo inteiro adotaram o PDF para acelerar o gerenciamento de documentos, aumentar a produtividade e reduzir a necessidade de material impresso. Nos EUA, por exemplo, o PDF é o formato padrão para envio por meio eletrônico de pedidos de aprovação de medicamentos da Food and Drug Administration (FDA) e também para o registro eletrônico de processos da justiça federal americana. Ele também é usado pelos governos britânico e alemão para a troca eletrônica de documentos. Além disso, a especificação ISO do PDF/X é o formato de arquivo padrão usado para a distribuição digital de anúncios para publicação.

Sendo um formato de arquivo aberto, o PDF está disponível para qualquer pessoa que precise desenvolver ferramentas para criar, visualizar ou manipular documentos PDF. De fato, mais de 1800 fornecedores oferecem soluções baseadas em PDF, assegurando às empresas que adotarem este padrão uma variedade de ferramentas para aproveitar ao máximo o formato e personalizar os processos de documento.

Os consumidores se beneficiam ainda da possibilidade do PDF ser utilizado em plataformas diferentes, pois o Adobe Reader permite visualizar apresentações de slides e cartões eletrônicos criados no Photoshop® Album.

PROBLEMAS COMUNS / SOLUÇÕES

:: Os destinatários não conseguem abrir os arquivos pois não dispõem dos aplicativos usados para criar os documentos.

:: Qualquer pessoa, em qualquer lugar, pode abrir um arquivo PDF. Tudo o que você precisa é do software gratuito Adobe Reader.

:: A combinação de arquivos impressos e eletrônicos dificulta a pesquisa, toma espaço e requer que o aplicativo usado para criar um documento esteja disponível para acesso futuro.

:: Os arquivos PDF são compactos, podem ser pesquisados com facilidade e acessados a qualquer tempo usando o Adobe Reader. Os hyperlinks interativos permitem fácil navegação nos arquivos PDF.

:: Os documentos não são exibidos corretamente em dispositivos portáteis.

:: As tags do PDF permitem refluxo automático do texto para exibição em plataformas móveis, tais como dispositivos Palm OS®, Symbian e Pocket PC.

:: As empresas acabam usando papel na troca de documentos e formulários devido à falta de processos eletrônicos de fácil verificação e auditoria.

:: É possível especificar direitos de acesso especiais aos documentos PDF, assim como assinaturas digitais.

:: Documentos com formatação complexa não podem ser lidos por usuários com deficiência visual.

:: Os arquivos PDF marcados por tags contêm informações sobre conteúdo e estrutura, podendo ser lidos com a ajuda de leitores de tela. PDF como padrão de arquivos (PDF: 304k, em inglês). PDF como padrão de gerenciamento e arquivamento de documentos e formulários (PDF: 68k, em inglês). Descubra como o PDF pode simplificar o trabalho e reduzir a necessidade de arquivos e documentos em papel.

GUIA DE FÓRMULAS PANTONE

O que é o Guia de Fórmulas Pantone?

Trata-se de um catálogo cuidadosamente elaborado contento 1012 cores impressas em papel couchê e off-set, as quais são obtidas através de misturas, partindo de 12 cores básicas. Esse processo é amplamente utilizado em todo o mundo, facilitando a escolha e a padronização de cores.

Para que serve?

É um método simples e bastante preciso para obter-se a tonalidade desejada. O guia deve ser utilizado em todo o processo do trabalho gráfico, ou seja, do artista que desenvolveu e criou o trabalho, ao gráfico que reproduzirá fielmente as cores indicadas pelo artista.

Como utilizar

Uma vez escolhida a tonalidade esta será sempre indicada através da numeração correspondente aos diversos setores (programação visual, fotolito, fabricante de tinta, oficina de impressão, controle de qualidade).

Tratando-se de trabalhos onde o uso da tinta escolhida for em pequena quantidade, a própria oficina executa a preparação da tinta através das indicações do guia. Quando trata-se de quantidades maiores é solicitada ao fabricante de tinta através da mesma numeração constante no guia.

Sistemas de impressão

O mostruário é impresso no processo off-set, tendo sua utilização básica neste sistema, tanto em máquinas planas como em rotativas. Nos demais sistemas (como a rotrogravura, flexografia ou serigrafia, entre outros) o guia é utilizado unicamente na escolha da tonalidade como referência ao fabricante de tinta. Não pode ser utilizado em bases misciveis entre si para a obtenção das cores do guia.

:: A tonalidade do PANTONE varia de acordo com o tipo de papel e também com a cor do papel usado na impressão.

:: Assim, a tonalidade da tinta impressa no papel couchê é diferente da tonalidade impressa no papel off-set.

:: Ao utilizar papéis coloridos, a cor do PANTONE também não será fiel à Escala PANTONE.

:: Portanto a fidelidade das cores apenas será mantida com o uso de um único tipo de papel e também se o papel for da mesma cor.